Para além da crise política a Guiné-Bissau vive uma outra no sistema judiciário. O processo "Arroz di Povo", desencadeado pela Polícia Judiciária, continua a dar o que falar. Desta vez é o ainda primeiro-ministro do país, Aristides Gomes, que acusa de roubo o Ministério Público, após a operação desencadeada a nove de maio para recuperar o arroz apreendido pela PJ.

Trata-se de arroz oferecido pela China e apreendido pela referida força policial. Na noite de nove de maio o mesmo foi levado de um armazém em Bissau, onde a PJ o mantinha guardado, a pedido do magistrado do Ministério Público que está responsável pelo processo.

O arroz tinha sido apreendido pela Polícia Judiciária, no âmbito do referido processo, apreendidos na quinta do ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos. A "guerra" entre poderes começou quando o PJ quis ouvir o referido ministro. No final de abril o Ministério Público abria um processo-crime contra cinco agentes da referida força.

O chefe do executivo garante que foi aberto um inquérito para averiguar os facto, investigação que é da responsabilidade do Ministério do Interior.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Demitidos dois Ministro na Guiné-Bissau

O chefe do Governo guineense exonerou os titulares das pasta...

Guiné-Bissau    17 maio 2019

Milhares de brasileiros protestaram contra o Governo de Bolsonaro

As manifestações decorreram em mais de duas centenas de cida...

Brasil    16 maio 2019

Angola candidata-se à Organização Internacional da Francofonia

Aquele país lusófono pretende ser membro observador da comun...

Angola    16 maio 2019

Universitários brasileiros protestam contra cortes nos financiamentos

À iniciativa de estudantes que frequentam o ensino superior ...

Brasil    15 maio 2019

Presidente de Moçambique preocupado com ataques no Norte do país

Pela primeira vez, Filipe Nyusi assumiu publicamente a gravi...

Moçambique    15 maio 2019